A barbárie no ar: as TVs brasileiras e o estímulo à violência

21/10/2015

"O fato de se apresentarem como “jornalísticos” faz com que esses programas escapem da classificação indicativa de horários para determinadas faixas etárias do público telespectador. Passam a qualquer hora oferecendo às crianças e jovens um festival de ódio e violência. Na verdade, de jornalismo têm pouco. São programas de variedades, espetacularizando fatos dramáticos da vida real com tentativas até de fazer um tipo grotesco de humor", afirma o sociólogo e jornalista Laurindo Lalo Leal Filho em artigo publicado na Revista do Brasil, edição de outubro de 2015.

ODS: O que a infância brasileira pode esperar para os próximos 15 anos

14/10/2015

“É importante lembrar que não é possível falar em desenvolvimento e futuro de uma nação sem enfatizar para quem é esse futuro, ou seja, voltado às crianças e aos adolescentes”, assinala Heloisa Oliveira, administradora-executiva da Fundação Abrinq, em artigo publicado nesta segunda-feira (12) no site UOL Opinião. No presente texto, a autora relaciona a infância com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), anunciados na Assembleia Geral da ONU, em Nova York, para os próximos 15 anos. Os ODS entram em vigor a partir de 01º de janeiro de 2016, com a proposta de ambiciosos 17 objetivos e 169 metas que devem ser alcançadas até 2030.

Não sabemos ensinar a ler para aprender

25/09/2015

“Não há mais desculpas possíveis para a nossa incompetência em alfabetizar”, afirma Priscila Cruz, fundadora e diretora executiva do movimento Todos Pela Educação, em artigo publicado nesta quinta-feira (24) no site Época Online. De acordo com ela, a alfabetização pela qual todos nós precisamos lutar para que seja universalizada no nosso país é: ler pra aprender. “Esse é o significado de estar plenamente alfabetizado”.

Com redução de maioridade penal, o Brasil ignora compromissos internacionais

18/09/2015

“O cerne da questão, que não é mencionado neste debate, é se a redução da maioridade penal é efetiva ou não para combater a violência. Nesse sentido, basta dar uma olhada nos regimes penitenciários da região para entender que mais penas não é sinônimo de menos crimes, evidenciando o fracasso sistemático das leis e políticas restritivas no tema”, afirma Amerigo Incalcaterra, representante regional para a América do Sul do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, em artigo publicado no último dia 10 de setembro no site da ONU Brasil. De acordo com ele, a redução da maioridade penal contraria o mandato de proteção da Convenção sobre os Direitos da Criança e não é solução nenhuma para o problema da insegurança.

Qual a diferença entre ler para a criança e deixá-la ver uma história em vídeo?

10/09/2015

Artigo publicado nesta quinta-feira (10) no Blog do Instituto Alfa e Beto (IAB) aborda a importância da leitura no desenvolvimento da criança. Um estudo divulgado em agosto no periódico Pediatrics (uma das principais publicações sobre Primeira Infância do mundo) mostrou como o cérebro das crianças reage ao escutar uma história.  Com ajuda de ressonância magnética, os pesquisadores conseguiram observar que ao escutar um adulto lendo, crianças de 3 a 5 anos de idade ativavam uma parte do cérebro voltada à integração multissensorial, que integra som e estimulação visual. “Isso significa que elas conseguiam ver a história dentro de suas cabeças, mesmo que durante o teste elas estivessem apenas escutando a leitura e sem poder ver as ilustrações”, aponta a pesquisa.

Páginas

Subscribe to blog.andi.org.br RSS  Feed RSS