Educação para o século 21

13/02/2017

"Quando falamos em Educação integral, estamos falando numa escola capaz de desenvolver os quatro pilares da Educação voltada para o século 21: aprender a ser, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a conhecer. [...] O mundo mudou, e muito. É preciso que a Escola compreenda isso. É papel nosso, enquanto Educadores, não só contribuir para que todos os Alunos tenham assegurado o seu direito constitucional à aprendizagem, no sentido mais amplo, como prover aos nossos Professores o direito ao contínuo aperfeiçoamento da sua formação, para que, assim, tenhamos uma Escola integrada aos novos desafios do século 21 — em que não só as competências ligadas ao mundo do trabalho são trabalhadas, mas também aquelas que promovem o pleno desenvolvimento do ser humano", destaca o educador Mozart Neves Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna.

O caminho da Educação de qualidade

10/02/2017

"Os dados revelam que um número maior de crianças tem acesso a uma Educação de qualidade, mas isso não é o suficiente: todas têm de ter esse direito garantido e esse é o dever máximo de cada gestor municipal. Para que isso aconteça, no entanto, a pasta de Educação e o prefeito precisam olhar para as dificuldades das Escolas de maneira individualizada, mapear e dar continuidade aos bons projetos educacionais, independentemente da troca de gestores e secretários, bem como possibilitar o intercâmbio de experiências entre as unidades de Ensino", afirmam Ricardo Falzetta e Pricilla Kesley, do Todos Pela Educação.

O papel dos pais na educação dos filhos

08/02/2017

Hoje, diversas pesquisas já mostram que escolas em que há participação ativa dos pais tendem a propiciar melhor desempenho escolar dos alunos e a reduzir os níveis de indisciplina e de violência. "Como pai e educador, diria aos pais que não deixem de participar da vida escolar de seus filhos. É preciso ter a educação como um valor familiar. Demonstrar interesse e acompanhar a vida escolar dos filhos pode contribuir não só para melhorar o desempenho escolar deles, mas também seu desenvolvimento pessoal e social". Quando a criança percebe que seus pais estão em uma aliança com a escola, ela se sente muito mais protegida, conforme afirma com propriedade a professora Heloisa Zymanski, da PUC-SP. "O tempo é único e não volta. Portanto, pais, façam a sua parte, educando, acompanhando a vida escolar e cuidando bem de seus filhos", aconselha Mozart.

O que falta às crianças e jovens viciados em tecnologia?

06/02/2017

O uso de dispositivos tecnológicos por crianças e jovens está longe de ser prejudicial. Se bem orientado, pode estimular a criatividade, o raciocínio lógico, a colaboração, a capacidade de pesquisa e outras competências valiosas para o mundo contemporâneo. No entanto, é preciso moderação. O aumento da dependência de eletrônicos tem preocupado pais e educadores do mundo todo. "Entre crianças e jovens, as consequências do uso excessivo de eletrônicos se percebem tanto em problemas físicos (tendinites, sobrepeso), como também mentais e emocionais (isolamento social, dificuldade de concentração, transtornos do sono), com reflexo também nos resultados escolares. Como prevenção, o exemplo da família é fundamental. Os pais precisam evitar usar os dispositivos para tranquilizar a criança, para que fique quieta por algumas horas, e evitar que as crianças se isolem jogando durante as refeições. [...] Vale marcar um horário para o uso e garantir que seja respeitado. E o principal, sobretudo com crianças: participar das atividades digitais junto com elas. Não só para monitorar, mas porque o relacionamento com os pais, em atividades desfrutadas em comum, pode ser o melhor dos presentes", assinala Andrea Ramal.

Estudantes criadores

03/02/2017

Com o movimento maker salpicando em escolas do mundo inteiro, os alunos abandonam o papel de meros consumidores de informação, que apenas absorvem o que lhes é dito, e tomam as rédeas da própria aprendizagem, atuando na produção do conhecimento. “O que é mais interessante é que quem dita a regra do que deve ser aprendido é o interesse do próprio aluno. [...] A educação maker ou mão na massa é uma maneira de desenvolver, em cada aluno, todo o seu potencial. Ao porem suas mãos na massa, os alunos se fazem perguntas e buscam respondê-las de diferentes maneiras, por meio da experimentação. Ao contrário da abordagem tradicional, na educação maker o erro faz parte do aprendizado, motiva o aluno a transpor seus limites sem se preocupar em falhar e serve de insumo para a adoção de novas estratégias”, pontua a empresária Ana Maria Diniz.

Páginas

Subscribe to blog.andi.org.br RSS  Feed RSS