28/02/2014

A educação e a Copa

Por: 

Cleci Maria Jurach*

Transformar o ano da Copa no da Educação fará com que utilizemos o evento como ferramenta pedagógica

Robótica, Mídias Escolares, Jogos Escolares, Escola Aberta, Olimpíadas de Filosofia, Astronomia, Português e Matemática, Baú de Histórias, Adote um Escritor, Fronteiras da Educação, Cidade Escola, Colônias de Férias, Alimentação Saudável, Músicas e Danças e Vou à Escola. Todos são projetos e ações que buscam dar conta da complexidade social com a qual a educação dialoga.

Para além de instrumentalizar o aluno, fornecendo-lhe recursos para se relacionar com a sociedade, interessa-nos dotá-lo de condições para que seja capaz de ler e interpretar o mundo em que vive. Um olhar diferenciado nos leva a encaminhar alunos de inclusão ao programa de Trabalho Educativo, preparando-os para uma vida independente em sociedade.

Educação integral como política pública que procura oferecer espaços qualificados de aprendizagem e de formação. A proposta de agregar outros tempos à sua jornada regular tem se estruturado a partir da realidade e da capacidade de cada estabelecimento de ensino. Não há fórmula mágica nem predefinida. Com parcerias e professores vinculados ao projeto Cidade Escola, dialogamos com cada comunidade escolar para dar forma a essa proposta, que leva o município a ter 52% dos alunos da rede no regime de Educação Integral.

Ampliar vagas na perspectiva de diminuir a demanda na Educação Infantil é uma constante, como garantia do direito da criança ao convívio escolar. Essa caminhada é mais sólida ainda porque existe o envolvimento e o profissionalismo de 4 mil professores e 1,5 mil funcionários. Nesse sentido, a Formação Continuada é marca dessa rede. Oferecer múltiplas e sempre singulares condições para o desenvolvimento e aprendizagem de cada aluno, de cada professor, de cada funcionário são compromissos renovados a cada ano pela Smed.

Para isso, investimentos acima dos 25% constitucionais são feitos, infraestruturas constantemente melhoradas e recursos humanos disponibilizados através de concursos públicos já realizados e em processo de nomeação para Educação Infantil, Anos Iniciais, Áreas de Conhecimento, Técnicos de Nutrição. Pela primeira vez, através de uma política pública de inclusão, serão nomeados monitores no Ensino Fundamental, e não apenas na Educação Infantil.

Transformar o ano da Copa do Mundo no ano da Educação, quando nossas ações serão movidas pela mesma paixão que o futebol desperta, fará com que utilizemos o evento como ferramenta pedagógica para explorar e aprender com diferentes culturas, línguas e costumes de nossos visitantes.

É assim que projetamos conquistar a Copa da Educação. Nossos alunos são a razão de ser da nossa profissão. Por eles trabalhamos motivados, felizes e superamos obstáculos, propiciando condições para que a escola pública ofereça sentido e futuro. Perspectiva concreta de reescrever biografias.

Um ótimo ano a todos e que venha a Copa da Educação.

_________________________________

*Secretária municipal de Educação de Porto Alegre.

[Foto: LaPresse Comunicação]

Tags: 

  • Cidadania
  • Direitos Humanos
  • ECA
  • Educação
  • Políticas Públicas