A esperança é a última a ser medicada

07/07/2016

"Até quando as crianças deverão ser caladas e contidas justamente quando tentam mostrar onde dói? Até quando autoridades optarão pela solução mais higiênica em lugar de ouvir e proteger verdadeiramente as crianças? Até quando a tão lucrativa indústria farmacêutica seguirá preenchendo com comprimidos os vazios que só o contato afetivo, a vontade política e uma sociedade mais justa e igualitária podem de fato preencher? A falta de respostas lúcidas para tantas questões assim é o que realmente deve preocupar e demandar um tratamento eficaz e urgente", destaca a psicóloga Maria Helena Masquetti.

A educação de jovens e adultos chega apenas a 5% do público ao qual se destina

05/07/2016

O educador Roberto Catelli Jr. afirma que o país ainda não sabe como lidar com o analfabetismo funcional que atinge quase um terço da população brasileira. "Para que se possa efetivamente avançar na redução dessa grande dívida social do país, portanto, é necessário que se caminhe na construção de novos paradigmas para a modalidade, com formas de atuação e currículos próprios que estejam de acordo com as demandas pessoais e profissionais de jovens e adultos que retornam à escola. [...] Por fim, a política pública de educação precisa deixar de colocar em lados opostos a educação de crianças e adolescentes e a de jovens e adultos, pois estudos como o Inaf mostram que o nível de alfabetismo dos filhos tem relação direta com o nível de escolaridade dos pais, ou seja, é preciso pensar numa educação que considere toda a família, e não apenas as crianças".

Quando a cultura jovem entra na escola

01/07/2016

"Voltar o olhar para as periferias é descobrir a potência, a criatividade e a mobilização existentes nesses espaços. [...] Os jovens no Brasil e em todo mundo têm se rebelado de diferentes maneiras para serem ouvidos, serem levados em conta, serem protagonistas, autores. Muitas vezes a internet funciona como um instrumento valioso para a expressão de opiniões, de manifestações artísticas e de articulação entre diferentes grupos. Mas cabe à escola fazer uma conexão entre os saberes escolares com os temas contemporâneos. Escolas de todos os territórios devem ser capazes de ouvir, acolher e debater todas essas questões dentro das salas de aula. É preciso ouvir os jovens e, ao mesmo tempo, ampliar o seu repertório de conhecimento para que essa participação política e cultural seja mais qualificada", afirma a socióloga e educadora, Maria Alice Setubal.

É preciso ouvir os jovens e, ao mesmo tempo, ampliar o seu repertório de conhecimento para que essa participação política e cultural seja mais qualificada.

Uma reflexão sobre crianças e adolescentes em situação de rua

23/06/2016

"Segundo pesquisa da SDH, em parceria com IDEST de 2011, temos 24 mil crianças e adolescentes em situação de rua: 3 em cada 10 pessoas em situação de rua são menores de 18 anos. A atuação do Estado com crianças e adolescentes em situação de rua segue duas lógicas principais, uma lógica de que as ruas das cidades devem ficar livres de crianças e adolescentes “pobres e pedintes” e outra lógica de que as crianças e adolescentes devem ficar livres das ruas para garantir seu pleno desenvolvimento. Em ambos os casos, a primeira ação é sempre tirar os adolescentes e as crianças da rua para então tomar outras medidas. [...] É preciso que a sociedade e os profissionais das políticas sociais optem pelo cuidado e pela promoção dos direitos de crianças e adolescentes, mesmo quando em situação de rua", aponta Rubens Bias, analista de política social.

Até quando vamos fechar os olhos para o trabalho infantil doméstico?

16/06/2016

Em 2013, mais de 200 mil meninas trabalhavam no Brasil e ninguém as via trabalhar. Foram exatamente 213.613 meninas brasileiras com menos tempo de estudo por conta do trabalho. Mais de duzentas mil meninas, negras, perderam sua infância no trabalho infantil doméstico. "É preciso que revisitemos a maneira como socializamos meninas em nossa sociedade, que revisitemos o olhar que temos para a cidadania de meninas negras e pobres, e que percebamos que em se tratando de direitos, a lógica não pode ser o 'pelo menos', e sim, é pelo máximo, é pela plenitude que devemos nos relacionar com a efetivação de seus direitos", assinala Viviana Santiago, especialista em gênero.

Páginas

Subscribe to blog.andi.org.br RSS  Feed RSS