02/09/2014

Os ricos da universidade

Por: 

Antônio Gois*

Ao menos 20% dos alunos de federais poderiam pagar mensalidade; mas perfil desses estudantes não difere muito do de particulares

No Brasil, o filho do rico estuda na universidade pública, e o do pobre vai para a particular. Este é provavelmente um dos clichês mais repetidos em conversas sobre o perfil dos estudantes no ensino superior no país, mas basta olhar as estatísticas do IBGE para derrubá-lo.

A renda média por pessoa no domicílio de um universitário em instituição pública no Brasil é de R$ 1.189, segundo tabulações feitas pela coluna na Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) de 2012, a última disponível. Entre os alunos de instituições particulares de ensino superior, esse valor chega a R$ 1.332, ou 12% a mais. Essa diferença não é nova - um dos primeiros especialistas a identificar o quadro foi o sociólogo Simon Schwartzman - e já foi maior. Em 2001, corrigindo valores pela inflação do período, um aluno do ensino superior privado tinha renda média per capita em sua casa de R$ 1.672, ou 33% a mais do que o verificado entre universitários de instituições públicas (R$ 1.259).

Na comparação entre 2001 e 2012, é possível identificar que, apesar de ainda ter um perfil de universitário com renda um pouco superior ao das públicas, foi no setor particular em que houve maior queda na renda média de seus alunos, provavelmente por efeito do ingresso de alunos mais pobres com bolsas do ProUni e crédito estudantil.

Se é falso afirmar que os alunos da rede pública são mais elitizados que os da particular, por outro lado, pode-se dizer que é o curso - e não a instituição - o que mais diferencia ricos e pobres em seu ingresso no ensino superior. A constatação disso pode ser feita a partir do questionário do Enade, exame aplicado pelo MEC em universitários de todo o país. No curso de licenciatura em Letras, por exemplo, apenas 22% dos estudantes do setor privado informaram ter renda familiar superior a seis salários mínimos, percentual muito parecido ao verificado no setor público para o mesmo curso: 17%. Já entre os alunos de Engenharia, o percentual de mais ricos pelo mesmo critério chega a 63% no setor privado e 58% no público. Ou seja, alunos de Engenharia, não importa onde estudem, têm renda média muito superior ao dos que frequentam Letras.

Por fim, pela Pnad, mesmo considerando que os dados de renda tendem a ser subestimados nesse tipo de pesquisa, é possível calcular um dado que sempre se apresenta em discussões sobre financiamento do ensino superior: quantos no setor público poderiam pagar? Se fossem aplicados os critérios do ProUni para alunos da rede federal, 52% receberiam bolsas integrais, ou seja, estudariam de graça. Outros 28%, por ter renda familiar entre 1,5 e 3 salários mínimos per capita, seriam elegíveis a bolsas de 50%. Por fim, 20% dos alunos da rede federal, aqueles com renda familiar superior a 3 salários mínimos per capita, não receberiam bolsa nenhuma do governo.

Numa conta simples, supondo que apenas esses 20% de alunos mais ricos (194 mil no total) pagassem algo como R$ 1.000 por mês (pouco para cursos que concentram os mais ricos como Medicina, Engenharia, Odontologia...), as universidades federais arrecadariam num ano cerca de R$ 2,3 bilhões. Não resolve os problemas de financiamento do setor, visto que o MEC gastou em 2012 R$ 26 bilhões para manter sua rede federal de educação superior, mas seriam recursos que, se bem utilizados, poderiam melhorar as condições de ensino para aqueles que mais precisam.
___________________________________________________________

*Antônio Gois é jornalista e colunista do GLOBO, especializado em educação.

[Foto: Alexandra Martins]

Antônio Gois é jornalista e colunista do GLOBO, especializado em educação.

[Foto: Eduardo Marques]

- See more at: http://blog.andi.org.br/inclusao-pela-metade#sthash.KP5ZRTjU.dpuf

 

Tags: 

  • Educação
  • Exclusão Social/Pobreza
  • Pesquisas
  • Políticas Públicas