Cidadania

A segurança das crianças está na cara da gente

06/02/2018

"A segurança e o calor de nossa presença, somada ao estímulo que podemos dar a elas de explorar espaços, pesquisar, experimentar, descobrir e de criar brinquedos que brotam dos anseios genuínos delas, certamente as ajudará a suportar melhor as turbulências do consumo que estremecem pela ganância as bases dos jardins da infância. Embora saibamos o quanto é difícil dizer não para uma criança, somos, por outro lado, as pessoas em quem elas mais confiam e se espelham. Se não têm condições de questionar o mercado agora, certamente terão mais tarde. Fora isso, reconhecer os sentimentos delas e demonstrar que compreendemos o quanto lhes é penoso lidar com tantos desejos, as fortalece também por serem levadas em conta. Maior que as marcas de tantos produtos são as marcas do amor que temos por elas, marcas que não saem de moda, que não enganam, que não exploram a ingenuidade infantil e que, além disso, não tiram delas o tempo impagável de viver plenamente sua infância", assegura Maria Helena Masquetti.

Melhor forma de combater a violência nas escolas é promover a paz

02/02/2018

"A escola pública é uma política de promoção da cidadania de caráter universal, inclusivo. Isso implica uma educação provedora, acolhedora e, sobretudo, transformadora para que o exercício pleno dos deveres e direitos seja de fato uma conquista de todos. Nesse contexto, a escola pública tem a missão de dar aos jovens educação de qualidade e também de lhes fornecer instrumental para buscar todos os outros direitos, inclusive o direito à cidade e seus espaços, serviços e equipamentos públicos. Essa estratégia é essencial para o desenvolvimento de uma cultura de paz. A escola pública, justamente por seu caráter transformador, deve rejeitar práticas perpetuadoras de exclusão que, frequentemente, se traduzem em criminalização dos nossos jovens mais carentes", aponta a educadora Macaé.

Transformar realidades nocivas com boas políticas públicas

30/01/2018

"Uma realidade indesejável se transforma com boas políticas públicas e é importante que elas sejam explicitadas nos programas dos candidatos. Mas a transformação requer também disposição de comprar as brigas necessárias, já que, dada a fragmentação de interesses instalada, há sempre algum grupo que se beneficia com o status quo e que se sentirá ferido com a mudança. Carlos Matus, especialista chileno de planejamento governamental, preconizava em seu livro O líder sem Estado-Maior que presidentes dispusessem de uma equipe competente em processamento técnico e político das questões mais relevantes. Não basta ter boas propostas técnicas e monitorá-las, é fundamental, ao buscar o interesse coletivo, elaborar uma teoria da mudança em que se mapeiem eventuais opositores e se identifiquem coalizões passíveis de serem construídas para a implantação", assinala a professora Claudia Costin.

Educação inclusiva é para todos!

27/07/2017

"Cada estudante é único e, por isso, diferente. Tem uma trajetória de vida, preferências, um jeito específico de aprender, dificuldades, facilidades. Essa é a premissa básica da educação inclusiva: todos os alunos, com ou sem deficiência, são diferentes. Por isso é que se diz que, nessa perspectiva de educação, a palavra-chave é a diversidade. A deficiência é apenas uma característica, entre tantas outras, que diferenciam os alunos uns dos outros. [...] Precisamos construir uma sociedade mais equânime e ciente do valor da diversidade, além de atender às demandas de cada estudante, tenha deficiência ou não. As demandas da educação inclusiva fazem um convite às comunidades escolares para a construção de uma educação que melhor atenda às demandas únicas de cada um de seus estudantes. Vamos responder a esse convite?", indaga Gabriel Limaverde, especialista em gestão das diferenças.

27 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente

14/07/2017

"É bem verdade que ainda temos muito que construir em redes e parcerias para assegurar que políticas públicas afirmadas através do ECA sejam implementadas em cada cidade de nosso país e para dizer não à discriminação, não ao abandono, não à invisibilidade de crianças em situações desfavoráveis, traumatizantes e de mais vulnerabilidade, não à exclusão social, não à violência e sempre sim aos melhores interesses à Vida e à Saúde das crianças e adolescentes brasileiros. Porém, por tudo que representou no que tange à proteção das crianças e adolescentes, nesse dia 13 de julho é tempo de celebrar os 27 anos de aniversário do ECA, através de cada ato cidadão nosso do dia-a-dia, cada sorriso, cada cuidado, cada luta pelas nossas crianças e adolescentes, que serão o futuro do nosso país", aponta Leandro Ziotto.

Páginas

Subscribe to RSS - Cidadania  Feed RSS