Direitos e Justiça

Cuidados compartilhados, salários equivalentes e crianças sendo prioridade absoluta

12/08/2016

A presença paterna também gera benefícios de saúde ao bebê, aumentando o período de aleitamento da mulher, diminuindo a incidência de depressão pós-parto e acelerando o processo de recuperação quando a criança nasce prematura. São encontrados benefícios também para o pai que passa a cuidar melhor da saúde, tem autoestima melhor e trabalham mais. O Marco Legal da Primeira Infância tenta enfrentar essa questão. Prorroga para 20 dias a licença-paternidade para participantes do programa empresa cidadã, valendo também para adoção. Posteriormente o beneficio foi estendido para os servidores públicos federais. "Ainda são muitos os desafios a serem enfrentados. É necessário que a ampliação da licença-paternidade seja estendida a todos os trabalhadores da CLT, como direito e não como benefício. [...] Que essas mudanças sejam apenas o começo de uma mudança de mentalidade, por uma sociedade mais igualitária entre homens e mulheres e que coloque as crianças como prioridade absoluta", afirma Rubens Bias.

A lição das Olimpíadas para nossas escolas

09/08/2016

"A abertura dos jogos foi um rico espetáculo para ser tratado nas salas de aula. [...] O respeito à diversidade, a busca pelo diálogo e por saídas tanto para nossos problemas como para as crises mundiais podem ter inspirações e referências no espírito olímpico. Estes momentos são fundamentais para marcar simbologias e reforçar laços sociais, e por isso devem ser discutidas nas escolas. O esporte é uma atividade poderosa para trabalharmos valores fundamentais nesse momento que vivemos: disciplina, perseverança, projeto de vida, espírito de equipe, saber perder e saber ganhar. E valores olímpicos e paraolímpicos como o respeito, a excelência, a igualdade, a coragem, a inspiração e a determinação deveriam ser abraçados não só por alunos, mas também por educadores e gestores. Uma escola aberta às questões do mundo contemporâneo é uma escola que traz para a sala de aula toda essa discussão com suas contradições e potências", pontua Neca Setubal.

Queremos uma educação voltada para o mercado ou para a inclusão?

26/07/2016

"Docentes precisam ter em mente as diversas necessidades e os desafios que os estudantes podem enfrentar... Todos os alunos podem se beneficiar de estratégias de ensino que são criadas a partir de um conceito de desenho universal de aprendizagem. [...] A educação que precisamos não deve se contentar com a formação de pessoas que se limitam a seguir as regras do jogo e a enxergar o mundo tal como o herdamos. Precisamos buscar um tipo de educação que nutra o desenvolvimento de cidadãos críticos e incomodados. Isso implica considerarmos a formação de seres humanos capazes de romper com visões dicotômicas e de interferir positivamente na complexa tessitura de uma sociedade coesa e igualitária", afirma Rodrigo Hübner Mendes.

Precisamos cuidar das crianças no meio ambiente virtual

18/07/2016

Na internet, crianças apresentam suas vidas a quem quiser assistir. Além de dados pessoais, estão suas casas, famílias e bens de consumo. Entenda os riscos e problemas desta situação: Ekaterine Karageorgiadis, advogada do Instituto Alana, explica o que muda quando anúncios comerciais saem da TV e vão para dentro das redes sociais - feitos por crianças para crianças. Texto fundamental para todos os pais, mães, avôs, avós, tias e tios. Vamos todos chamar a atenção para a segurança física e psíquica dos pequenos que estão online!

Quando a cultura jovem entra na escola

01/07/2016

"Voltar o olhar para as periferias é descobrir a potência, a criatividade e a mobilização existentes nesses espaços. [...] Os jovens no Brasil e em todo mundo têm se rebelado de diferentes maneiras para serem ouvidos, serem levados em conta, serem protagonistas, autores. Muitas vezes a internet funciona como um instrumento valioso para a expressão de opiniões, de manifestações artísticas e de articulação entre diferentes grupos. Mas cabe à escola fazer uma conexão entre os saberes escolares com os temas contemporâneos. Escolas de todos os territórios devem ser capazes de ouvir, acolher e debater todas essas questões dentro das salas de aula. É preciso ouvir os jovens e, ao mesmo tempo, ampliar o seu repertório de conhecimento para que essa participação política e cultural seja mais qualificada", afirma a socióloga e educadora, Maria Alice Setubal.

É preciso ouvir os jovens e, ao mesmo tempo, ampliar o seu repertório de conhecimento para que essa participação política e cultural seja mais qualificada.

Páginas

Subscribe to RSS - Direitos e Justiça  Feed RSS